• Ancoragem 1
  • Ancoragem 2
  • Ancoragem 3
  • Ancoragem 4
  • Ancoragem 5
  • Ancoragem 6
  • Ancoragem 7

Uma ancoragem é um elemento estrutural instalado em solo ou rocha, que permite transmitir a uma zona interna de qualquer tipo de terreno, uma carga de tração aplicada.

A ancoragem é constituída por três partes:

  • Cabeça: elemento que transmite a carga da ancoragem para a estrutura através da placa de apoio;
  • Comprimento livre: comprimento desde a cabeça até ao bolbo de selagem;
  • Bolbo de selagem: comprimento da ancoragem no qual a força de tração é transmitida ao terreno envolvente através da calda de cimento.

Normalmente são consideradas dois tipos de ancoragens, as ativas e passivas.

As ancoragens passivas, também denominadas de pregagens, são ativadas com o deslocamento da estrutura.
Normalmente não têm comprimento livre nem constituição de bolbo de selagem por injeção, sendo seladas em todo o comprimento.

As ancoragens ativas são pré-esforçadas antes de colocadas em serviço, limitando a deformação da estrutura e em alguns casos, recuperando parte da deformação.

As cargas nas ancoragens variam, usualmente, de 200kN a 2.000kN. O comprimento da ancoragem é especifico de cada projeto, variando de 10 a 60 metros. Os comprimentos usuais variam de 15 a 25 metros.

A armadura da ancoragem poderá ser constituída por cabos ou barra de pré-esforço.

A metodologia de execução das ancoragens é normalmente a seguinte:

  • Perfuração, de diâmetro 100-200mm, em qualquer ângulo, utilizando tecnologias de acordo com os requisitos do solo;
  • Limpeza do furo, podendo este ser preenchido com calda de cimento;
  • Colocação da armadura (cabos ou barra);
  • Após a presa da calda de selagem, é injetada calda de cimento de forma a criar o bolbo de selagem. Poderão ser utilizadas várias metodologias de injeção, sendo a mais usual, a Injeção Repetitiva.
  • Um a sete dias depois, dependendo do solo e tipo de calda, a ancoragem é pré-esforçada com o apoio de macacos hidráulicos, e a cabeça é colocada.

O Projeto de ancoragens deverá definir a secção de armadura, comprimento livre e do bolbo de selagem e o diâmetro do furo.
A armadura é dimensionada para suportar a totalidade de carga prevista para a ancoragem, de acordo com a norma EN 1537.
O comprimento livre é definido de forma a que o bolbo de selagem se encontre fora da cunha ativa, o posicionamento do estrato competente e o comprimento mínimo para permitir perdas mecânicas.
O comprimento do bolbo de selagem e diâmetro de perfuração são definidos para mobilizar, por atrito lateral, toda a carga da ancoragem para o maciço envolvente. A capacidade de carga é sempre verificada por ensaios de carga.

A Artur Peixoto, Lda. possui capacidade instalada para execução de ancoragens provisórias e definitivas, realizadas com os diâmetros e metodologias de furação mais adequados ao terreno em que se pretende instalar, destacando-se as seguintes:

  • Furação com trado;
  • Furação com trialeta ou tricone;
  • Furação com martelo fundo de furo e martelo de superfície;
  • Furação com roto-percussão entubada;
  • Furação com sistema de duplo impacto

Realizamos ancoragens de comprimentos variáveis, recorrendo a diversos sistemas de injeção de calda de cimento, nomeadamente, sistemas de injeção global unitária (IGU) e repetitiva (IR).

Executamos também o tensionamento de ancoragens para qualquer carga prevista em projeto, assim como todos os ensaios associados.